Loading...
Skip to content
 
Disciplina fiscal e transparência criam fundamentos para novas obras

Revista Construir - Por Joaquim Levy- Publicado em 08/2008

O Estado do Rio de Janeiro tem oportunidades maravilhosas para crescer. O cenário mundial está favorável e o governo vem conquistando credibilidade no Brasil e no Exterior. Como diz o governador Sérgio Cabral, temos um potencial enorme e muita disposição.

 Com receitas fiscais superiores a R$ 30 bilhões e um PIB equivalente ao da Colômbia e da Malásia, o principal problema do Rio de Janeiro não é falta de dinheiro, mas de gestão. Ou seja, para crescer, precisamos potencializar a utilização desses recursos, acertar o passado e criar facilidades para que  pessoas e empresas se organizem e produzam.

 Objetivando garantir as condições para a nova fase de crescimento no estado, o governador Sérgio Cabral optou pela disciplina fiscal. A incapacidade do setor público de prover certos serviços deve-se principalmente a escolhas no gasto, falta de harmonia entre as esferas da Federação e deficiência de gestão.

 Olhando para as metas do governador, reorganizamos a Receita, aprovamos leis para combater a sonegação e estamos trabalhando com outros órgãos para cobrar na Justiça os impostos devidos. O orçamento também passou a ser para valer, com cada órgão sabendo o que tem para gastar dentro de uma cota financeira controlada, como em grandes empresas. Além disso, o dinheiro vem sendo canalizado para áreas consideradas prioritárias e os secretários trabalham para gastar bem e fazê-lo render.

 Com essa organização, os salários permanecem rigorosamente em dia, mesmo após a incorporação de reajustes concedidos nos últimos dois anos, e os fornecedores passaram a ser também pagos de forma regular e previsível.Todos os desembolsos feitos estão na internet, ao alcance de qualquer um, aumentando a transparência e mostrando para onde vai o dinheiro.

 Também temos que ir limpando o passado, porque há um limite até onde o governo pode levar a máquina pública na base do gatilho, de liminares na Justiça e de incentivos ficais. Em um estado desorganizado, o investidor vê que tudo é precário e sem transparência e cobra milhões de reais em isenção de imposto para cada emprego gerado.

 Com a casa começando a ficar em ordem, iniciamos 2008 com foco em investimentos, tanto os do PAC, quanto suas contrapartes, complementos e outras iniciativas essenciais para o estado. Já em 2007, havíamos feito um esforço especial para pagar o que faltava de um empréstimo que se arrastava desde 1999, disponibilizando dez composições de trem com ar-condicionado. Logo no começo do ano, aprovamos no Senado um empréstimo de mais R$ 90 milhões também para trens e obras de transporte. E, assim que foi aprovado pelo Tesouro Nacional o novo espaço de endividamento de R$ 1,5 bilhão, começamos a negociar novos empréstimos para trens, estradas, Prodetur e saneamento. Em todos eles, o vice-governador Luiz Fernando Pezão tem dado o rumo nas escolhas de prioridades.

 O Tesouro estadual também tem permitido a execução acelerada das contrapartidas das principais iniciativas do PAC, dando fôlego ao governo enquanto se concluem os elementos necessários à plena fruição dos convênios com a União. Como se sabe, a previsão é de o investimento do PAC no Rio de Janeiro totalizar R$ 1,17 bilhão ainda em 2008. Desse montante, RS 189,8 milhões serão desembolsados pelo Tesouro estadual. Entre os projetos relacionados pelo PAC que receberão forte injeção de recursos este ano está o Arco Metropolitano, que consumirá R$ 267 milhões. O PAC também prevê intervenções em favelas que representarão investimentos de R$ 402,2 milhões em 2008, com contrapartida do estado.

 Temos também projetos do PAC na área de saneamento que demandarão R$ 267 milhões em 2008. Entre as ações estão melhorias no parque de tratamento do Guandu, na Baixada Fluminense e em São Gonçalo, e na Baía de Guanabara, além da ampliação do sistema de abastecimento de água de Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes, a maioria sob responsabilidade da Nova Cedae, cujo conselho é presidido pelo vice-governador.

 Talvez a coisa mais excitante que esteja acontecendo na área de infra-estrutura, além do afinamento entre Obras e área de infra-estrutura, além do afinamento entre Obras e área financeira, seja o esforço do Rio de Janeiro para reconstruir grupos técnicos com capacidade para discutir de forma integrada investimentos, especialmente urbanos. Isso é essencial para priorizar e para casar o gasto com o desenvolvimento econômico.

 Hoje, um grande desafio é fortalecer as bases técnicas para a integração de áreas de processamento com o Arco, assim como planejar a mobilidade das pessoas para as novas oportunidades de trabalho ao longo da intervenção, de Itaguaí até Itaboraí. Aí se inclui a integração de ônibus e trilhos, que é fundamental para efetivamente baixar o custo do transporte urbano no Rio.

 Nesse sentido, um trabalho de divulgação e discussão do Plano Diretor de Transportes Urbanos (PDTU) é urgente, até porque dará indicações importantes para o setor privado quanto à escolha de locais para novos empreendimentos, inclusive imobiliário. O vice-governador tem dado o exemplo, ao montar uma equipe para maximizar o impacto positivo da Via Light, que vai energizar e valorizar grande número de bairros do Rio.

 A Secretaria de Fazenda tem mantido o compromisso de garantir os recursos do orçamento e ajudar a otimizar o seu uso, porque todo o governo está imbuído da convicção de que Obra tem um papel fundamental para nos fazer vencer os desafios da favelização, segurança e estagnação econômica. Essas chagas vieram caracterizando a Região Metropolitana e, de certo modo, todo o Estado do Rio de Janeiro, por tempo exagerado. Neste ano e meio, fica claro que a liderança de Obras em várias dessas áreas tem sido muito efetiva, trazendo resultados palpáveis para os recursos investidos.

Locais do Estado do Rio de Janeiro
Locais do Estado do Rio de Janeiro

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de JaneiroAv. Presidente Vargas, nº 670 - Rio de Janeiro / RJ -20071-001 - Telefone Geral - (21) 2334-4300

v20220117-1